sábado, 31 de julho de 2010

Vamos falar de mulher: Bonitas VS Gostosas

Aew cambaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaada!!!

Recado importante para todos os leitores imaginários daqui do blog: o Negão tem um blog, o Não Faz Diferença. Sim, senhoras e senhores, é verdade... e faz um tempo já... portanto, acessem e façam o garoto feliz. E sim, vocês ainda vão ouvir muito sobre esse blog.

Recado número 2: exatamente agora, dia 30 de Julho, às 22:13 está passando Eu te amo, Beth Cooper, o que me faz admitir que eu me odeio.

Mas chega de recados, vamos ao tema do post de hoje: mulheres. Sim, de novo. Mas caso vocês esperam fotos não religiosas, esqueçam.


Gostosas ou Bonitas?

Pois bem, há um bom tempo, nós homens classificamos as mulheres. Mais recentemente, homens inteligentes classificaram as mulheres entre "gostosas" e "bonitas" e como não poderia deixar de ser, as mulheres não entendem tal classificação até hoje.

A classificação obviamente se dá pela aparência da mulher, sendo algo bem simples. Tem mulheres que são "gostosas" e não são "bonitas", tem "bonitas" que não são "gostosas", tem as "bonitas" que também são "gostosas" e tem as "feias", mas destas não falarei hoje, uma vez que não entram na classificação aqui analisada.

Para ser mais prático, farei por partes e darei exemplos de ambos os tipos, então, vamos à elas.


Gostosas

Lucy Pinder: é mais difícil achar fotos dela com roupa do que sem roupa, pode acreditar.

O que classifica uma "gostosa" é obviamente o corpo e como os padrões de beleza atuais determinam que os principais pontos do corpo de uma mulher são os peitos e a bunda, é nessas duas partes do corpo que se tem de olhar caso você queira classificar uma mulher como "gostosa".

Mas de nada adianta a bunda (ou os peitos) serem grandes se os peitos são pequenos (ou a bunda). É aquela história de harmonia: todas as partes tem de formar um conjunto bom. Vejam a Mulher Melância, por exemplo:

Ela tem uma bunda enorme, mas é feia pra caralho. Olha a cara dessa mulher: claramente ela foi atropelada por um caminhão de 30 eixos.

Já a Lucy Pinder, é "gostosa" perante os padrões atuais. Caso você vá no Google pesquisar imagens dela, verá logo na primeira página que ela tem peitos enormes. De verdade, são realmente grandes, mas o resto do corpo dela tem harmonia, o corpo dela combina, por assim dizer.

Não há mal nenhum em classificar uma mulher como "gostosa", claro, muitas das "gostosas" são burras e imbecis, mas isso não tira o crédito delas... fisicamente falando, claro. Então mulheres, caso alguém lhe chame de "gostosa" sinta-se elogiada e não fique com frescura achando que tal exclamação é vulgar.


Bonitas

Caso você tenha assistido Passione, deve ter notado que a Mariana Ximenes não é "gostosa", mas a não ser que você seja cego, você nota que a garota (aposto que ela gostaria desse "garota"... considerando os 29 anos) não deve em beleza para muitas de 18, então, só para relembrar:



Qualidade fulera devido à ser o único vídeo do clipe.

Se a classificação "gostosa" se deve pelos peitos e pela bunda, a classificação "bonita" se volta para as demais partes do corpo: rosto, pés, mãos, pernas, etc. Também há a história da harmonia: de nada adianta ter pernas bonitas e ter mãos de pedreiro.

E só para constar nos laudos: mulher que deixa a unha grande fica feia.


Bonita e Gostosa

Vestido feio... mas como o que importa é o que está dentro do vestido... aliás, o sapato é feio também.

Só tem 1 (UM!) jeito de você não achar a Jessica Alba bonita e gostosa: sendo idiota. Porque se você for gay, você quer ser como ela e se você for hetero, bem, todos já sabemos que você acha... e agora descubro que ela fuma... mais um sonho destruído.

Achemos então uma substituta.

Musa dos nerds nos últimos 3 anos, a posição está muito bem defendida pela Kaley Cuoco, não?

Se as "gostosas" tem como parâmetro peitos e bunda e as "bonitas" tem o resto do corpo, obviamente uma mulher que é "bonita e gostosa" tem (usando aqui uma expressão brega) "tudo no lugar". Em termos físicos, esse é o elogio máximo que uma mulher pode receber. É simplesmente o topo, o auge, da forma física de qualquer mulher.

Então, SE FODEU Jessica Alba, você ficará velha, com manchas na pele e terá bronquite.


Qual a melhor?

Basicamente, nenhuma. Se uma mulher é chamada de "gostosa" isso significa que ela tem um corpo que chama atenção por causa da bunda e dos peitos, já se chamam de "bonita", ela chama atenção por causa de pernas, cabelo, olhos e afins.

Não há mal nenhum em ser gostosa e nem em ser bonita, e apesar de isso ser uma constatação óbvia, é melhor deixá-la por escrito... tem gente que não entende e vem com "ahhh, mais isso é vulgar!". Não, não é vulgar. Vulgar seria chamar uma mulher de "potranca", por exemplo.

Do meu ponto de vista, se você chama uma mulher de "gostosa" você se refere unicamente à tais duas-partes-que-já-foram-ditas-demais-aqui. Por outro lado, o "bonita" se refere ao corpo, mas com mais classe, é algo mais sincero, por assim dizer.

E esse é o motivo de termos milhões e milhões de "gostosas" no mundo. Sim, podem reparar, há uma infinidade de "gostosas", para os mais diversos gostos. Por outro lado, o número de "bonitas" é bem menor, uma vez que a sociedade de forma geral valoriza mais as "gostosas" do que as "bonitas". O que facilita na hora de ver a garota "pra casar". Ou não.


Níveis de beleza

Já coloquei fotos mais "escandalosas" aqui no blog... e depois, não achei nenhuma outra foto dela (da Gemma Atkinson, seu burro) de 2010...

Tanto as "bonitas" apresentam níveis:

1 - Bonitinha
2 - Bonita
3 - Bonitíssima
4 - Lindinha
5 - Linda
6 - Lindíssima
7 - "PUTA-MERDA-EU-CASO-AGORA"

Quanto as "gostosas":

1 - Gostosinha
2 - Gostosa
3 - Gostoooooooooosa
4 - "PUTA-QUE-PARIU-EU-CASO-AGORA"

É uma subclassificação necessária, já há vários tipos de beleza física, portanto nada mais justo do que classificá-las assim. Na prática não há tanta diferença, uma vez que sendo bonita e/ou gostosa, ela será bonita e/ou gosta, seja muito bonita e/ou gostosa seja pouco bonita e/ou gostosa (e eu escrevi todos, não dei copiar-colar).



Mas o que diferencia?


Tanto o "gostosa" quando o "bonita" são elogios, nenhum é ruim. O que diferencia uma gostosa de uma bonita é simplesmente a aparência. Veja essas fotos por exemplo, nenhuma das garotas aí é bonita, mas várias são gostosas.

De forma mais sutil, o que faz uma gostosa é o corpo e o que faz uma bonita são os detalhes do corpo. Deu para entender, mulheres?

Mesmo que você tenha peitos duros e uma bunda grande, isso não quer dizer que você é bonita, quer dizer que você é gostosa. O contrário equivale: você não precisa ter peitos grandes e bunda dura para ser bonita. Ou seja, nem toda gostosa é bonita, nem toda bonita é gostosa e com absoluta certeza nem todas as mulheres são bonitas e gostosas.

Como deu para notar lá em cima, você pode sim ser bonita e gostosa. O que é bem raro, já que papai do céu não se esforça 100% das vezes que vai fazer uma pessoa. De qualquer forma, minha cara, se você for bonita e gostosa, sua vida tá feita (entenda como quiser).


Do que as mulheres gostam

Claro que estou generalizando, mas creio que as mulheres de verdade (aqui e aqui) não se importam em serem chamadas de "gostosas" e/ou "bonitas" (ainda mais se vor verdade), uma vez que ambos os adjetivos são elogios.

Digo, as mulheres gostam de serem elogiadas e terem seus egos inflados (não reclamem, é verdade) e qualquer um desses dois adjetivos só faz isso: ajudam na auto-estima delas. Não há mal nenhum em receber um elogio se este for sincero. E mentir é válido às vezes também.

E depois, não há problema nenhum em ser chamada de "gostosa" ou de "bonita", é só uma palavra, tenha outras intenções por trás dela ou não. Então creio sim que as mulheres gostas de serem chamadas de "gostosas" e/ou "bonitas" do mesmo jeito que gostam de serem chamadas de bem vestidas ou elegantes.

Só um pedido garotas: não fiquem se fingindo de surpresas ou indignadas quando receberem algum desses dois elogios, afinal, não há mal nenhum e fingir por algo assim tão besta é perda de tempo.


"Pra caralho"

A regra é bem simples: se uma mulher for muito gostosa ou muito bonita ou muito qualquer coisa, acrescente o "pra caralho" depois do adjetivo, assim: "gostosa pra caralho".

É simplesmente uma regra não oficial do português, afinal há co-relação entre "mulher" e "caralho" apesar de não haver co-relação gramatical entre "homem" e "buceta"... é um mundo machista, fazer o quê?


Então... e daí?

Sejamos sinceros, não dá para terminar esse post com foto de homem. E depois, se você já leu alguma coisa aqui no blog sabe que eu curto pra caralho (olha aí) a Emily Browning, que aliás vai estar em cartaz com o filme Sucker Punch:

Eu sou a favor de deixar as pessoas ao natural em fotos e tal, mas devo admitir que quem fez os posters do filme entende pra caralho (de novo) de Photoshop.

Enfim, o post começou com função de explicar para as mulheres a diferença entra "gostosa" e "bonita", então nada mais justo que terminar esse post falando um pouco mais sobre essa classificação.

Caso você tenha visto os links aqui no post, viu um com várias fotos de mulheres gostosas porém feias. E como uma imagem fala mais que mil palavras, creio que todas entenderam a divisão. Mas sabem aquela história de "cada um tem um gosto"? Pois é, é mentira, uma vez que tem gente que não tem gosto (o que, feliz ou infelizmente, preenche a maioria da população mundial), mas há uma pontinha de verdade também, afinal, não é porque eu gosto da Emily Browning que você tem que fazer o mesmo (deveria, mas não é obrigado).

Então, o conceito de "gostosa" e "bonita" é muito relativo. Eu sou um tremendo chato quando o assunto é aparência de mulher, pode perguntar pro Negão, ele confima. Um exemplo bom é que eu sequer olho para as panicats do Pânico da TV, enquanto o Negão praticamente (ou literalmente... tem coisas que prefiro não saber) baba por elas. Outro exemplo é a Mulher Melância: eu não suporto ela, mas se você suporta, é o exemplo de gente que não tem gosto.

De um jeito ou de outro, a classificação entre "bonita", "gostosa" e "bonita e gostosa" fica a critério de quem está classificando. Mas de forma geral há sempre um concenso em relação à algumas mulheres, caso da Kaley Cuoco e da Lucy Pinder, por exemplo. Mas na dúvida, sempre pergunta para alguém mais experiente (seja no que for...), já que você provavelmente estará errado.


Minha conclusão



Taí, como homenagem à todas as gostosas, bonitas, bonitas e gostosas e feias do mundo, afinal, tudo fica melhor com rock de verdade.

Seja bonita, seja gostosa, seja bonita e gostosa, um fato é unânime: mulher é mulher. A classificação existe mais para facilitar a vida do que para qualquer outra coisa, afinal, como todos sabem, homens gostam de debater o assunto "mulher".

Como eu disse, o diferencia uma "gostosa" de uma "bonita" são os detalhes: as bonitas são bonitas por causa dos seus detalhes, enquanto as gostosas são gostosas por causa de seus peitos e sua bunda. E as bonitas e gostosas são basicamente membros da corte real quando o assunto é beleza. E para quem está pensando, não, não tenho preferência por loiras (nem por morenas, ruivas ou qualquer outra cor).

Seja gostosa seja bonita, o fato é que ambos os adjetivos são elogios: nós homens (e as mulheres também...) falam tais coisas para as mulheres só por elogiar, afinal, elogiar não faz mal (até faz, mas façamos de conta que não) e é bom para o ego das mulheres. Então companheiros, elogiem sim, mas com classe e educação. Nada de cantadas idiotas, "fiu-fius", "ô lá em casas" e outras babaquices de sempre.

Mas de tudo mesmo, o mais importante é ser mulher de verdade, que só por ser "de verdade" já é ou bonita ou gostosa (ou ambas). Uma das consequências do auto-respeito feminino é o reconhecimento de nós homens... pelo menos de uma minoria pensante...

Bem, 3:54 da matina... tenho que acordar às 7... e pela primeira vez vou (tentar) usar a postagem agendada, portanto caso o post não saia antes de Domingo, é porque deu alguma merda por aqui... de qualquer forma, bom final de semana para todos.

See ya!
Related Posts with Thumbnails

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Vê Isso #23

Related Posts with Thumbnails

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Panquecas, líderes de torcida e curtir a vida adoidado

Aewwwwwwwww cambaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaadaa!!!!!!!!

Bem, o blog ficou sem atualização por um bom tempo por um motivo muito simples: fiquei sem computador. Duas vezes em seguida.

Na primeira vez foi um problema simples... ou não... no qual meu core 2 duo estava com a velocidade de um computador da década de 60. Já a segunda vez foi mais cruel, meu HD pifou junto com o gravador de DVD e a tela em breve ia pro saco também. Devo admitir que não foi o momento mais feliz do meu ano, apesar de me possibilitar ver o sol sem ter uma janela como obstáculo.

Enfim, hoje é dia 7 de Julho e são 23:25 da noite. Provavelmente, ou melhor, com toda certeza esse post só vai ao ar bem depois de hoje... para ser mais sincero ainda, não estou com meu computador, este é do meu pai... irei amanhã em busca de um novo para mim.

Recentemente o ¿Que Diabos? e o Odeio e Justifico (apesar de o OJ ter um post novo hoje, dia 23/7 - continuem lendo e irão entender...) fecharam as portas por assim dizer. O que não deixa de ser meio triste... bem como a minha ausência não só aqui no blog, mas no Bacon Frito também. De qualquer forma, (usando um tema recorrente nesse post) "foi bom enquanto durou". Ahh, vocês irão encontrar MUITOS spoilers importantes no post.

Mas chega de explicações... já não basta o blog ser chato sem elas... o tema de hoje é meio que culpa do filme Eu te amo, Beth Cooper:

A história é bem clichê: nerd gosta da líder de torcida que tem um namorado babaca. E sim, haverão spoilers no decorrer do texto. Se você já se deu o trabalho de ler algum outro post meu, deve saber que eu sou relativamente contra clichês (preciso falar sobre isso qualquer dia desses...) e apesar de esse filme não ter nada de novo, me fez pensar um pouco. Se eu não achasse que depressão é coisa de vagabundo e frescura eu estaria em depresão agora... vocês verão (do verbo "ver", burro!) mais horários neste post.

Com toda certeza o Negão vai ler o trecho acima e pensar algo com "momento emo" no meio. Negão, sinceramente espero que você tenha câncer de próstata.

Nota: eu já tive uma faca igual à essa da foto e garanto que é plástico.
Nota: não sou eu na foto.

O filme começa com o discurso de formatura do Denis Cooverman (0 nerd - vivido pelo Paul Rust), no qual o infeliz se declara para a Beth Cooper (sejamos sinceros, se a Hayden Panettiere não estivesse no filme vocês já teriam deixado de ler este post), o que dá o nome ao filme.

A partir daí essa turminha do barulho vai aprontar altas aventuras, já que o imbecil provocou o ex namorado babaca (que só para variar um pouco) que é militar. Bem, Beth, como toda líder de torcida anda com suas amigas Cammy Alcott e Treece Kilmer (Lauren London e Lauren Storm respectivamente), já Denis tem como amigo Rich Munst (Jack Carpenter).

Na ordem: Denis, Treece, Beth, Rich e Cammy.

Os clichês são apresentados logo no início do filme (pelo menos o filme é "sincero"...), para vocês terem uma idéia (com assento mesmo, que se foda), o lema do filme é o tão famoso "Carpe Diem". Pois é.

Os pais do Denis também são puros clichês: é o pai dele que lhe fala do Carpe Diem, enquanto a mãe é aquela estraga prazeres de sempre. Diga-se de passagem, a cena em que o paizão usa o celular "de forma diferente", admito que eu não esperava... não que seja surpreendente, mas não era algo que eu previa.

Logo depois da cena inicial, Denis convida Beth para ir numa "festa" (felizmente o filme não teve nenhuma influência de The Big Bang Theory...) em sua casa e para surpresa de todos, ela e suas amigas vão à festa. É nesse trecho do filme que sabemos mais sobre os personagens:

1 - Denis é nerd e fresco (muito fresco...), mas ainda sim não é sem noção como demais nerds Hollywoodianos (acho que é assim que escreve).
2 - Rich sabe tudo sobre filmes e é bissexual (tá, isso é na última cena, mas nada do que estrague a história).
3 - Beth tinha um irmão retardado (no sentido médico da coisa mesmo) que morreu. É a clássica história da garota popular que só faz coisas erradas por pressão social, mas que no fundo tem um bom coração. Além de dirigir mal.
4 - Cammy entende de dramaturgia (também é lá pro final do filme... eu avisei que tinha spoilers).
5 - Trecee é a "mais saidinha da turma" (como diria sua avó) além de ter a inteligência de uma mula.

Pois bem, após todas as altas aventuras e fugas do filme, que obviamente são intercalados com momentos "paz e amor", é claro que os personagens principais ficam juntos (não no sentido que você está pensando) e (vou ser chato mesmo, não mandei você ler até aqui) Rich pega tanto a Cammy quanto a Trecee. Ao mesmo tempo.

Sei que você já está procurando o filme para baixar, então vou dar mais uma informação: Hayden Panettiere paga peitinho.

...

Pode ir ao banheiro, eu espero.

...

Pronto? Lavou as mãos? Salvou tudo "para depois"? Ótimo.

Fico pensando o que as garotas que caem aqui no blog por acaso acham desses momentos... se bem que dependendo de como elas forem, elas ouvem coisas piores de caras na rua... boa sorte, garotas.

Como já contei o final do filme (na verdade, o filme inteiro), digo, no melhor estilo crítico chato, que a cena final é decepcionante. Era para ser meio que um ciclo: o filme começa tranquilo, "fica agitado" (falando como alguém da terceira idade novamente) por todo o percurso, e terminha tranquilo, mas como o filme não é assim tão bom, tal tentativa fracassa, ficando monótona demais. Denis devia NO MÍNIMO convidar todos para comer panquecas na casa dele. E porra, o próprio pai fala para ele zoar geral a vida, mas quando ele chega em casa, ele fica de castigo. DE CASTIGO!!!! Porra, ele tem 18 anos caralho!!!!

Depois de assistir o filme, entrei num estado de reflexão. Os clichês são por definição algo que fica "batido" (é... tô todo velho hoje...) por acontecer demais, muitas vezes. Claro que se fosse algo literal, dificilmente todos os nerds dos filmes pegariam a garota. Esse é um tema que tem tudo à ver com o post de hoje: nerds e garotas, mas apesar disso, não é o tema principal deste post, mas falo sobre isso outro dia.

Na verdade, o filme me fez pensar na relação do "foi bom enquanto durou" com o "Carpe Diem" e histórias impossíveis entre nerds e líderes de torcida... sinceramente, você realmente acha que uma garota lança um Hummer numa mansão só para resgatar o nerd do seu ex namorado idiota (o namorado da garota, não do nerd)???

Além disso, alguém que passou os 4 anos do colegial (nos States o colegias tem 4 anos, o que explica - em parte - as putarias que rolam por lá) sem fazer porra nenhuma (literal e figuradamente falando) vai compensar tudo em apenas 1 (UM!) dia??? Logo de cara cito outro filme com roteiro parecido: Show de Vizinha.

Que tem como paródia essa porra aqui:



Sabem o que esses dois filmes tem em comum? Tirando, é claro, todo o roteiro? Mulheres. Pois é, o chamariz para ambos os filmes são as "gostosas" que atuam neles:

A Hayden Panettiere

E a Elisha Cuthbert

Diga-se de passagem, gosto mais da Elisha (veja os nomes na capa do filme Show de Vizinha, se você não conhece os atores ainda, não vai saber quem é a garota e quem é o garoto... cada nome para se por numa criança...), sei lá, a Hayden nunca me chamou atenção... vai ver que é porque não gosto de Heroes...

Todos esses filmes no qual o idiota fica com a garota, o roteiro é igual. Claro, com diferenças devido aos detalhes do filme, mas a idéia básica é a mesma. Em outro exemplo clássico, Curtindo a Vida Adoidado, tem o mesmo plano básico. Claro, com uma música fodona no meio:



Mas isso não é desculpa, e só fica pior se não tem nenhuma "gostosa". Sejamos sinceros, a Beth fica sem tolha e a Denielle é atriz pornô, o que a Sloane faz? Porra, aposto que muitos só assistiram Curtindo a Vida Adoidado por causa da Ferrari... que era uma réplica. UMA RÉPLICA!

Voltando ao tópico, um dia só não recompensa outros 400 dias de chatice. Seria meio que ficar feliz ao assistir Looney Tunes depois de uma maratona no History Channel sobre os supostos OVNI's nazistas.

Sei que estão pensando que o post vai acabar com algo na linha de "O Carpe Diem tem que ser todo dia e não num dia só, tem que ser sempre e não ser usado como válvula de escape para tantos dias de frustração", mas garanto que não vai. Mas também não vai acabar com "transe todo dia com a primeira pessoa que você ver na rua, experimente todos os drinks possíveis, produza um filme pornô e suba num carro alegórico durante um desfile". Eu sei que eu sou chato, não precisam me dizer.

São 1:02 da manhã do dia 8 de Julho... admito que perdi a linha de raciocínio... o que vai me levar a ver o filme de novo e a continuar escrevendo outro dia... boa noite à todos... ou não.

...

Dia 23 de Julho de 2010. 18:04 minutos. Sexta-feira: Véspera de dia de post no bloig.

Pois é... 16 dias depois de começar o post, finalmente crio vergonha na cara e resolvo continuar essa merda. Eu planejava colocar a música Back in Black aqui, mas eu já fiz isso no meu post de volta no Bacon, então vou de algo diferente:



Pausa aqui. Vengaboys. Porra... eu ouvia essa coisa há muito tempo atrás (o troço surgiu em 1997) e pesquisando uma música para colocar aqui "achei" essa... e pesquisando um pouco mais, descubro que a banda "voltou à ativa". E estão fazendo sucesso!!! Porra... eu gostava porque era brega, bobo, antigo e meio idiota, mas agora eu estou realmente decepcionado... sei lá... é meio chocante ver algo voltar do passado assim... é basicamente a mesma história dos zumbis: agora que eles voltaram, alguém vai ter que ir lá e dar headshots neles.

Ahhh, você duvida? Veja isso:

É, pois é.

Enfim, voltando ao tema do post, de nada adianta você ser um merda sua vida toda e no leito do hospital resolver viver tudo que não viveu até aquele momento. E essa é exatamente a história de "Antes de Partir":

Apesar de Morgan Freeman e Jack Nicholson serem Mestres, o enredo do filme tem a mesma base de Curtindo a Vida Adoidado, Show de Vizinha e Eu te amo, Beth Cooper. Não, não há nenhuma "gostosa" no filme... nesse caso o chamariz é a carreira fodona dos atores principais... espero...

E essa história não é válida só em relação à "viver a vida". De nada adianta se arrepender de seus pecados em frente a um padre, sendo que você está pra bater as botas. De nada adianta você confessar que matou 30 pessoas na véspera do seu julgamento. De nada adianta você reduzir o silicone dos seus peitos se eles já ocupam mais área que o resto do seu corpo (falo esse para as mulheres... ou não... ). O que quero dizer é que não basta um dia ou um único ato para mudar tudo que você fez anteriormente.

Pense por um momento que você foi fazer bungee jump e que o elástico que te prende estourou e que você quis pagar menos no salto e resolveu ir sem o cabo de segurança (puta burrice fazer isso, mas enfim...), mas "por sorte" você cai num rio, poucos metros abaixo do limite da corda. Não adianta nada passar a usar o cabo de segurança nos seus próximos saltos, uma vez que você quase virou patê uma vez.

Esse é um dos motivos que me fazer ficar irritado com gente que corta o pulso. Caso você tenha o mínimo de conhecimento sobre o sistema circulatório e sobre anatomia, sabe que o fluxo de sangue é muito menor nas extremidades do corpo (desconsiderando a hora do vamuvê...). É uma lógica bem simples: quem corta os pulsos NÃO quer morrer. Leva horas para você perder sangue suficiente para morrer, se o corte for no pulso. É a mesma coisa que cortar a palma da mão.

Porra, se você quer mesmo morrer, atire em si mesmo, ligue o gás do fogão e acenda um fósforo, tome veneno de rato, enfim, faça um serviço bem feito. Cortar os pulsos não só é inútil como também é incrivelmente clichê... aliás, caso você resolva cortar o pulso, corte por inteiro, arranque a mão mesmo, aí sim é um corte efetivo.

Claro, se você cortar a mão, de nada adianta você implantá-la de volta ou colocar uma prótese (considerando que você não morreu), isso não muda o fato que você já cortou sua mão.

Pode sonhar.

Caso você veja os 4 filmes que eu falei aqui, apesar das diferenças entre eles, vocês verão a mesma história: um dia mudando tudo na vida dos personagens. Seria no mínimo interessante se isso realmente acontecesse na vida real, mas não acontece.

"Ahhh... mas e quem quase morreu e depois resolveu levar uma vida saudável?!"

A dieta dessa pessoa pode mudar, ela pode fazer exercícios físicos e pode fazer caridade, mas ainda sim ela irá comer, ainda sim irá ficar horas e horas parada e ainda sim não vai ajudar o mundo inteiro. Obviamente pode acontecer de um nerd pegar a líder de torcida, de um tripé fazer um filme pornô, de um cara de 30 anos cantar The Topnotes para milhares de pessoas e de dois velhos subirem o Everest, mas não é nada disso que muda toda a vida deles.

Sim, é verdade que essas coisas são ótimas de se fazer (ou não...), também é verdade que todos podem tentar e conseguir fazer essas coisas, mas também é verdade que 99,98% vão falhar e que outros 0,01% vão desistir e que outros 0,005% não vão tentar. E eu não sou um filho da puta para falar que o 0,005% restante não vai conseguir, mas sou filho da puta para AFIRMAR que esses 0,005% vai sofrer PRA CARALHO até conseguir. E se você tem o mínimo de inteligência, sabe que qualquer coisa que envolva a palavra "caralho" não é mole e nem rápida.

O quão gay soou a última frase?

Mas por mais (aos imbecis, eis a diferença entre "mas" e "mais") que este 0,005% sofra, ele (ou ela) ainda sim vai conseguir. Isso não quer dizer que irá ser algo duradouro ou com "felizes para sempre" (sim, pode ser, mas não é uma regra), mas "em primeira estância", ele (ou ela) consegue sim.

"Ahh, então o Denis, o Matthew, o Ferris, o Edward COLE e o Carter fazem parte desses 0,005%"

Sim, com toda certeza. Mas se você for no Google agora mesmo e pesquisar "nerd fica com garota popular" você vai achar dezenas de filmes com essa premissa. E sendo 0,005% uma porcentagem muito baixa, mesmo para os padrões mundiais, chegará à conclusão pioneira de que Hollywood mente para você.

Voltando a falar diretamente dos filmes, todos eles mostram também o "foi bom enquanto durou". É aquela história de "por mais legal que esteja a festa, tá ficando tarde e a gente tem que ir embora". Normalmente, esse "trabalho" é oculpada pelos pais, imagem que definitivamente não ajuda no relacionamento entre pais e filhos... porque, sejamos sinceros, todo acéfalo idiota se espelha no que vê na TV.

De um jeito ou de outro, todos os quatro filmes falam que aquele dia (ou aqueles poucos dias) fizeram todo o resto valer à pena. Mas obviamente esse tempo acaba (tá certo que só em Antes de Partir os personagens morrem, mas vocês entenderam) e "a vida continua". Para vocês terem uma idéia, as últimas falas de Eu te amo, Beth Cooper são (aproximadamente) "claro que eu não vou esperar os 10 anos pro encontro da escola pra falar com ela... eu vou mandar um e-mail ou coisa assim".

A. PORRA. DUM. E-MAIL.

Agora eu lhes pergunto: seria possível um e-mail compensar 10 anos? Pense por um momento que você é nerd (estranhamente isso não é tão difícil atualmente...) e que após "altas aventuras" você finalmente fica com a garota dos seus sonhos. O que você faz?

a) Vai para casa ficar de castigo
b) Manda um e-mail para ela
c) Manda seus pais se foderem a vai fazer coisas não religiosas com a garota

Acreditem, essa cena não é o que parece... aliás, nerds cinematográficos deveriam agradecer de joelhos que as garotas as quais eles gostam tem ampla experiência mundana... e que são liberais...

A não ser que você seja MUITO estúpido (ou gay, o que é bem mais provável...) você escolheu a opção "c". O que prova 3 coisas:

1 - Você é tarado
2 - Você pensa
3 - Você vai morrer, uma vez que cedo ou tarde você terá que voltar para casa e acredite, seus pais estarão te esperado.

Então, para resumir as coisas, o "foi bom enquanto durou" basicamente nada mais é que saudades de ter uma vida melhor (ou não) da que você tinha antes. Algumas pessoas chamariam isso que "arrependimento-por-ter-vivido-uma-vida-de-merda", mas eu prefiro chamar de "vontade-de-não-ter-uma-vida-de-merda". Mas claro, o "foi bom enquanto durou" não deixa de ser uma reclamação meio afrescalhada de alguém que tem escrúpulos suficientes para não repetir as mesmas idiotices legais. Afinal, quem não gostaria de apostar uma corrida particular com um Mustang Shelby GT 500 Eleanor VERMELHO?

Então, de forma bem simples, toda a questão do "foi bom enquanto durou" é (em parte) a aceitação de que algo que foi bom (pelo menos para aquela pessoa) acabou. Entra também a história do "nada acontece duas vezes do mesmo jeito". É praticamente impossível que algo aconteça duas vezes do mesmo jeito. Mesmo que o resultado seja o mesmo, com as mesmas pessoas, no mesmo lugar, pequenos detalhes mudam e se você já assistiu CSI sabe que os detalhes mudam muita coisa.

Então, a conclusão lógica é que são os detalhes, as coisas aparentemente insignificantes, que fazem uma situação. Claro que as "ações principais" são importantes, afinal, são as principais. O mesmo vale para os filmes, todos eles tem as "ações principais" das quais já falei no post, mas os detalhes (características dos personagens, as idiotices que eles fazem, os atores e atrizes, etc.) são diferentes, consequentemente são filmes diferentes. Nenhum com grande criatividade, mas ainda sim diferentes, e isso é ótimo, afinal, não seria divertido ver o Morgan Freeman de toalha.


Minha conclusão

Eu admito, estava com saudade de escrever a linha acima e de escrever aqui nessa merda de blog que ninguém lê. Fazer o quê? Sou masoquista mesmo.



Já que não tem Back in Black vai Shoot to Thrill mesmo...

Resumão: todos os quatro filmes (Eu te amo, Beth Cooper; Show de Vizinha; Curtindo a Vida Adoidado; e Antes de Partir;) tem a mesma base, ou seja, passar um curto período da vida fazendo todas as merdas possíveis por um único motivo, todo o resto da vida dos personagens foi uma porcaria. Outro ponto em comum em todos são, meio que obviamente, as mulheres, cujo papel básico é atrair o público e fazer o(s) personagem(s) principal(ais) feliz(es).

Matthew fica com Danielle, Denis fica com Beth, Ferris fica com Sloane (é...) e Edward e Carter morrem... vocês trairam o movimento punk, véio!!!

Em cada um dos filmes os personagens passam por coisas diferentes: Ferris rouba uma Ferrari, Matthew faz um filme pornô, Edward e Carter pulam de para quedas (acho que é assim agora...) e Denis... bem, o Denis não faz nada praticamente, na verdade quem faz é a Beth, o Denis é arrastado por ela. Diferentemente do que eu posso ter feito parecer, fazer todas essas coisas é realmente foda. De verdade, quem (que tenha o mínimo de amor próprio) não iria querer fazer essas coisas?

Mas (sim, tem sempre um "mas"), como eu disse lá no começo do post, essas coisas não acontecem "do nada", nem todos os dias. Essas coisas, por melhores que sejam, não compensam uma vida inteira chata e sem graça. Mulheres, vou lhes ensinar uma coisa: se um homem decide realmente que irá levar uma vida de merda, nada nem ninguém muda isso em uma questão de dias. Aliás, é extremamente difícil mudar isso, isso é, quando muda.

Então caros leitores imaginários, façam um favor à vocês mesmos e ao resto do mundo e escolha um partido: ou viva uma vida de merda e não atrapalhe ninguém ou viva uma vida decente e foda a vida de outras pessoas. Sim, porque a consequência de você viver é que outra pessoa vai se vocêr por causa disso. Portanto, sempre que você se foder, pode por a culpa na sociedade que você estará certo. E isso é fisicamente comprovado: "Toda ação provoca uma reação de igual intensidade, mesma direção e em sentido contrário". Afinal, sejamos sinceros, que graça teria a vida se tudo fosse perfeito?

Bem cambada, final de mais um post. É dia 24/7 e são 17:04 horas... peço desculpa pela demora, mas a escolha não foi minha (foi culpa da sociedade, entendem?). Mas vocês não tem tanto o que reclamar, afinal tem mulheres no post, dicas de filmes, boa música e o meu mal humor que vocês tanto gostam. Ou não.

See ya!
Related Posts with Thumbnails