domingo, 17 de outubro de 2010

Porquês e Afins: Maybe they're fucking right


Aaaaaaaaaaaeeeeeeeeeewwwwwww cambaaaaaaaaaddaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!

Taí o mais novo Porquês e Afins para vocês, espero que mantanham a sanidade depois dele.

Vamulá!!!


SWU


Ninguém mais está falando do SWU... aliás, não vi ninguém falar do nome tosco (Starts With You) do negócio... vai ver que é por isso que resolvi falar sobre ele agora.

Não vi os shows (nem pela TV nem ao vivo) com excessão de uns 10 minutos do show do Pixies (que não pareceu grande coisa), mas notei algo: a falta de rebelião, quero dizer, não dos vários quebra paus que teve por lá, mas sim o comportamento do público de forma geral, estavam todos muito certinhos, muito... respeitadores.

Não que eu seja à favor de sair quebrando tudo e todos só porque deu na telha (coisa que é, diga-se de passagem, pura idiotice), mas cadê a empolgação, as zueiras, os xingamentos "saudáveis"? Cadê aquela "vontade de viver" e a vontade-de-mostrar-pros-outros-que-você-está-vivo? Onde está aquela (não é bem essa a palavra mas...) rebeldia que os shows inspiravam?

Claro que bandas como o Queens of the Stone Age e o Rage Against the Machine deram um gostinho disso, mas e o resto? Pixies, Linkin Park, Avenged Sevenfold e (por que não...) o DJ Tiesto? Houve um tempo em que fazer música era para inspirar as pessoas, hoje não é nem mais para ganhar dinheiro, fama ou reconhecimento, é mais para agradar as pessoas. Odeio o politicamente correto: não me importo em ser xingado, desde que eu seja xingado com vontade. Prefere que passem a mão na sua cabeça ao invés de te ensinarem a viver uma vida que valha à pena?


As gerações anteriores

Vivo falando aqui no blog que as coisas eram melhores no passado. Para ser realmente sincero, nem tudo era assim tão bom: a tecnoligia não era tão avançada, a vida financeira das pessoas era mais complicadada, a comunicação era mais difícil e era mais difícil melhorar de vida. Porém algo que venho notando é que antigamente (lê-se "há 60 ou 70 anos") havia menos tabus que hoje em dia.

Já parou para pensar que seus pais já fizeram MUITO mais merdas que você? Sei lá, eles podem ter participado de uma (ou várias) orgiam podem ter jogado um carro na piscina, ter feito um tiroteio contra uma gangue, explodido a geladeira de um amigo, ficado bêbados ao ponto de se casarem, usado mais drogas que o Ozzy e o Slash juntos, matado alguém, comprado armas roubadas ou até mesmo brincado de ciranda num dia de chuva.

E sabe o que aconteceu em seguida? Você nasceu. Pois é... e por algum motivo, seus pais decidiram que você teria uma vida "melhor" que a deles, ou seja, sem todas as merdas que eles fizeram. E sabem o mais irônico nisso tudo? É que eles vão te falar que tiveram uma vida boa, mas que você não pode (e não deve) jamais fazer as mesmas coisas que eles já fizeram, afinal, eles só querer o seu bem.

Seus pais são as primeiras pessoas a te limitar. As gerações são contadas de 5 em 5 anos: são 14 gerações sendo podadas cada vez mais, e é por isso que temos a sociedade pateta e ridícula de hoje em dia. Seus avós não parecem tão legais agora, né?


Just sex and drugs

Parei para pensar: e se as pessoas que consideramos idiotas é que estão certas? E se as pessoas que chamamos de "otários" por usarem drogas, por beberem mais do que o fígado aguenta e por estarem pouco se fudendo para as outras pessoas, são as mais sensatas?

Eles fazem o que nossos pais faziam e todos, inclusive nossos pais, reclamam disso. É meio que um "faça o que eu digo mas não faça o que eu faço" por parte de nossos progenitores... porém não vejo como hipocrisia (apesar de ser...), vejo mais como "eles estão tentando nos dar uma vida melhor". Claro que estão falhando miseravelmente como pessoas, mas estão se saindo muito bem no tópico "bons pais". Ou não... para tudo...

Vejam bem, não estou defendendo o uso das drogas e nem que deveríamos sair por aí gritando que o governo é uma merda (até porque todos já sabem), mas nesse mar de comportamentos exemplares, perfeitinhos, qualquer mínimo distúrbio é bem-vindo, qualquer demonstração de que as merdas não vão deixar de existir assim tão facilmente é uma boa pedida.


Escolhidos a dedo

Pensando mais um pouco sobre o assunto, aquela história de "as gerações antigas sempre reclamarão das gerações mais novas" não é bem verdade: nossos pais e avós criaram esta geração do jeito que eles queriam, ou seja, uma geração que não corre riscos, que obedece sem questionar. É o sonho de todo pai, não?

Quem briga de verdade são as poucas pessoas da geração atual que tem consciência da idiotice que esta geração está fazendo. E as pessoas de gerações anteriores que reclamam da geração atual, são as pessoas que já reclamavam da sua própria geração. Sabe aquele cara que surrou seu avô quando ambos eram jovens? Pois é, ele não parece tão babaca agora, né?


O jeito certo

Sinceramente... não sei (ao menos não ainda) qual jeito é melhor para se viver: seguindo o que seus pais querem para você ou fazendo a mesma coisa que eles fizeram. Claro que o melhor é você ter uma vida só sua, do seu jeito, mas é inevitável ter seus pais como ponto de referência... cedo ou tarde isso acontece.

Por um lado, tem pessoas que se esforçam para fazer o que os pais acham certo para elas, pessoas que seguem esse plano. Claro que é idiotice, uma vez que a vida é sua e não dos seus pais, porém, pelo outro lado, repetir todas as idiotices que seus pais fizeram também não é muito inteligente. Devo admitir que prefiro me foder na vida do que perder minha capacidade de pensar sozinho...


Minha conclusão

Bem cambada, vai aí uma música foda pra esse post:



No final de tudo o resultado será o mesmo: a morte. Mas já que é para esperar até que a morte chegue, por que não fazer isso de forma boa (seja lá o que "boa" signifique)? Não quero ninguém se matando (só por dar um exemplo) ou qualquer outra coisa do tipo, mas e se fazer esse tipo de idiotice for o mais certo? Nossos familiares (entende-se por "os mais velhos") tem essa... mania de querer que a vida de seus filhos, netos, bisnetos (ou qualquer outro grau de parentesco) tenham uma vida "melhor" do que a deles, mas para quê? Vá no shopping e dê uma olhada na geração atual: um profundo sentimento de desilusão e "o que porras aconteceu com essas crianças?!" não é mesmo?

Creio que independente do que aconteça nas próximas gerações, devíamos começar a considerar a ideia de deixar nossos filhos se foderem: é aquela história de "é errando que se aprende". Claro que ninguém quer um filho drogado, mas se isso o ensinar a ser uma pessoa consciente, vale o risco... aí você me fala "mas ele vai virar um viciado!!!" e eu te respondo "se seu filho for bem criado e tiver a capacidade de ser "um garoto de verdade", as drogas não serão um problema". E se as drogas se tornarem um problema, sempre há a possibilidade de fazer isso:



See ya!
Related Posts with Thumbnails

0 comentários: Aquela ,Ein ,Ein!, Eu, blog ,opinião ,internet, 1 ,2 ,3 ,4 ,5 ,6 ,7 ,8 ,9 ,0 ,top ,x ,coisas ,vê ,isso ,links ,semana ,post , contos ,de ,duendes ,até ,quando ,acordes , aviso ,acorde ,vícios ,matinais ,porquês ,e ,afins ,vida

Postar um comentário