sábado, 26 de maio de 2012

Camisa 19

Aaaaaaeeewww cambaaaadaaa!!!!

Então, caso vocês estejam se perguntando o porquê da falta repentina de posts, a explicação é simples: falta de tempo. Um post aqui no blog leva ao menos 6 horas para ficar pronto, e a última vez que um post demorou esse tempo, foi há quase um ano. Enfim, é aquela coisa de sempre: blog dá trabalho, por mais que não pareça, e trabalho significa tempo. E não, eu não entrei em depressão por causa do post passado.

Sem mais delongas, e com a promessa de não faltar semana que vem, ao post!

Vamulá!!!


Jaqueline tinha 23 anos, nascida em Minas, mas criada no Rio. Miss Lage 2009, musa da escola de samba da comunidade, torcedora fanática do Bota. Trabalhava numa farmácia, de segunda até sábado, mas domingo era sagrado: ia para a praia logo cedo e só voltava para casa à noite.

Melhor acabar com as piadas ruins logo de cara, não?

Durante a manhã, com um sol mais fraco, era hora de ver os rapazes jogando futvolei. Tomava água de coco, mergulhava, tomava sol (de topless, para não ficar marca) e, à noite, era roda de samba. Dançar juntinho, conhecer gente interessante. Caminhava pela orla para relaxar, esquecer dos problemas; gostava de ver as pessas se divertindo nos barzinhos.

Conheceu Paulo Jorge, Bizu, numa dessas caminhadas. Encontraram-se na praia algumas vezes, até que passaram a caminhar juntos. Ele contou que tinha vindo do interior, de família pobre, que como não tinha muitas chances, começou a jogar desde pequeno, e se destacou. Seria apresentaria no Botafogo em algumas semanas: ala direita. 

Ele era novo, uns 26 ou 28 anos, mas já era casado, tinha um filho lindo, de quatro anos. Nunca amara a esposa, mas ela havia engravidado, então se casaram. Se conheceram numa das festas por lá, uns olhares, uns cutucões... ainda era cedo, e nenhum dos dois queriam voltar para casa ainda.

Jaqueline insistia para as amigas que eram só amigos, mas ela sabia que era mentira, e das grandes.

Bizu havia sido apresentado e estreara logo na semana seguinte, num amistoso. Foi numa terça que ele convidou Jaqueline para uma festa, com os caras do time. Um monte de gente iria, e ele queria que ela também fosse, para comemorarem a vitória e o bom desempenho dele. Ela negou, no início, mas ele insistiu tanto que acabou aceitando.

Roberta, a esposa, voltou com o filho para o interior alguns meses depois: exigia a separação e a guarda da criança. Os companheiros do time deram algumas dicas e ele acabou por aceitá-las: casa, carro e pensão, mas o garoto passaria as férias com ele. 

Bizu e Jaqueline anunciaram o casamento algum tempo depois. Estavam na capa de todas as revistas de fofocas, processo, briga com o técnico. Apesar disso, o Bota ia bem obrigado, algumas vitórias, alguns empates, mas eram uma família: cada fim de semana era churrasco na casa de um. Mas era a incerteza que comandava: ele havia traído a mãe do próprio filho. E se fizesse o mesmo com ela?

Fez. Jaqueline pegou no flagra. Ela era diferente da ex: não iria extorquir o máximo que podia, não ia dar barraco, e definitivamente não ia ser apontada por todo mundo na rua. Não estava pensando direito quando pegou uma faca na cozinha e voltou para o quarto.

Jaqueline acabou por ficar com a chácara, os carros, e se mudou para lá: adeus farmácia. Demorou à voltar para suas caminhadas na praia graças aos paparazzi mas, eventualmente, perderam o interesse nela. Ela faz questão de caminhar perto de onde ela e o segurança enterraram Bizu.

Foi numa dessas caminhadas que ela conheceu Matias...


See ya!
Related Posts with Thumbnails

0 comentários: Aquela ,Ein ,Ein!, Eu, blog ,opinião ,internet, 1 ,2 ,3 ,4 ,5 ,6 ,7 ,8 ,9 ,0 ,top ,x ,coisas ,vê ,isso ,links ,semana ,post , contos ,de ,duendes ,até ,quando ,acordes , aviso ,acorde ,vícios ,matinais ,porquês ,e ,afins ,vida

Postar um comentário